Estacionamento abusivo em Miraflores

Recebido por mail:
__________________________

Muito boa tarde,

Dirijo-vos este e-mail na esperança de que algo possa efetivamente ser feito em relação ao que se passa nas traseiras do prédio onde resido ( Av. das Tulipas, nº 21 em Miraflores, Algés). Trata-se de uma área privada de uso público que é diariamente invadida por automóveis. Segue em anexo uma fotografia que ilustra bem o que se passa - se quiserem tenho dezenas delas tiradas em dias diferentes, mas acho que uma é suficiente para o efeito.

É um espaço onde por vezes brincam crianças, mas que não o podem fazer livremente nem em segurança, pois podem estragar os automóveis com as bolas, ou podem ser atropeladas pelos automóveis que entram e saem do local.

É um local que invariavelmente está sujo com as marcas dos pneus. É um local cuja manutenção é da responsabilidade do condomínio, mas que se degrada cada vez mais com a circulação destas viaturas.

A PSP já por várias vezes veio ao local, mas sempre que assisti, apenas advertem as pessoas que encontram, as mesmas retiram as viaturas durante alguns instantes, e assim que os agentes se vão embora, voltam a estacionar aqui as suas viaturas. Sem a devida multa, o desrespeito pela autoridade prevalece.

É desesperante, já tentei por várias vezes pedir às pessoas para não o fazerem, e por vezes sou até tratado com má educação ou simplesmente ignorado. O estacionamento é tarifado nesta zona, mas este local parece estar fora da ação dos fiscais da Parques Tejo, tornando-se num local desejado para quem não quer pagar a devida taxa social de estacionamento.

Em Miraflores o estacionamento abusivo já foi um problema muito maior, que melhorou consideravelmente com a intervenção da Parques Tejo. Infelizmente este continua a ser um dos poucos locais onde o problema persiste (mas não é o único, sendo a situação em frente à Clínica Quadrantes a mais escandalosa, ainda para mais tendo em conta que está a menos de 100m da esquadra da PSP).

Termino assim pedindo a todas as entidades aqui contactadas, que dentro das vossas competências possam ajudar a resolver esta questão.
*Leitor identificado*