Portugal a bater recordes no estacionamento selvagem

Portugal, a nível Europeu, é sempre colocado no fundo da tabela nos mais diversos indicadores civilizacionais, como alfabetização, acesso a cuidados de saúde, rendimentos dos pensionistas ou trabalhadores, qualidade ambiental, proteção social, entre outros. Todavia, os portugueses podem alegrar-se de, em certos indicadores estarem em primeiro lugar. De acordo com a aplicação TowIt, que faz uma análise ao estacionamento ilegal e selvagem, tendo em consideração aquilo que os utilizadores facultam, Portugal aparece destacado em primeiro lugar, com 491 ocorrências, como o país com mais estacionamento selvagem e ilegal. Estamos todos de parabéns!


O carro com prioridade absoluta... à custa dos peões

Em Oeiras quem anda de carro tem muito mais direitos do que as prssoas que andam a pé, incluindo o direito à ocupação abusiva do espaço público pedonal.  Dia após dia, sem qualquer fiscalização ou responsabilização, a segurança, conforto e direito à mobilidade das pessoas - incluindo crianças, idosos, deficientes e famílias - é posta em causa com a aparente aceitação tácita das autoridades municipais e policiais, num ambiente de absoluta impunidade.

No Parque dos Poetas os portões estão fechados à população, não aos carros



Infelizmente é normal ver os poucos portões do Parque dos Poetas fechados à população, em especial os poucos que são completamente acessíveis a idosos, cadeirinhas de bebés, cadeiras de rodas, ou a qualquer pessoa com mobilidade condicionada por não seguirem para caminhos que obrigam a subir ou descer inúmeros degraus. O mesmo já não se pode dizer dos veículos abusivamente estacionados nos passeios, largos e caminhos pedonais de Oeiras, e por vezes, mesmo dentro do Parque dos Poetas.

Av. Fontes Pereira de Melo - estacionamento abusivo frente ao Hotel Sana

Av. Fontes Pereira de Melo - estacionamento abusivo frente ao Hotel Sana - é assim todos os dias. Vários carros, quase sempre em paralelo, estacionados em cima do passeio, dificultando a passagem de peões e obrigando muitas das vezes a circular pela faixa de rodagem. A autarquia e a polícia municipal, assim como a PSP ou a EMEL, nada fazem.