Ficalização à l'EMEL

A EMEL e os seus responsáveis além de não zelarem pelo espaço público, são tão incompetentes, que nem sequer percebem que assim não zelam também pelos próprios interesses financeiros da empresa. Dinheiro não lhe falta por certo. Lembre-se desta situação caro concidadão quando a CML decidir aumentar impostos municipais por falta de verbas.

Recebido por mail de um dos nossos leitores:
____________________________

Caros,

1) Em redor do jardim da Praça José Fontana em Lisboa é normal ver os deligentes fiscalizadores da EMEL a validarem os títulos dos veículos bem estacionados nos locais devidamente indicados como estacionamento legal. É o seu trabalho e de certeza que o fazem bem. Eu tenho uma opinião sobre o "estacionamento pago" mas para o caso não é relevante.
O que não se percebe é a falta de deligência no estacionamento ilegal que prolifera em locais circundantes.

Em anexo envio fotos tiradas todas num curto espaço de tempo à hora de almoço, onde podem verificar um conjunto de veículos em situação de estacionamento abusivo, alguns em cima do passeio, outros em curva retirando visibilidade, outros a em cima de passadeiras, outros de "zebras".

Ora fazendo contas por alto, e dado que muitos destes veículos são "clientes" assíduos e recorrentes destes lugares, compensa muito não estacionar em locais pagos...
Fazendo contas a 9€/dia em média de estacionamento, por 22 dia/mês e a 11 meses/ano, cada um destes veículos não paga por estacionar em Lisboa na zona amarela cerca de 2200€. 

"Ah e tal mas não há lugares para estacionar." Se não há, não podem vir entupir a cidade e estacionar a incomodar o resto do trânsito e acima de tudo os peões.

Não tenciono que criem mais lugares de estacionamento, tenciono é que fiscalizem não só os lugares pagos mas também os locais onde há estacionamento indevido. Isto tudo nas imediações da super-mega-novas instalações da sede nacional da Polícia Judiciária.


2) Do vosso site:
"É objectivo e compromisso da empresa melhorar as condições de mobilidade dentro da cidade e proporcionar aos seus clientes a poupança de tempo e de dinheiro que é própria do funcionamento das cidades inteligentes e organizadas.". in:http://www.emel.pt/pt/a-emel/

Pois, o problema de base é esse, é que quem está à frente das instituições como a EMEL vê clientes, e quem não é cliente não gera dinheiro.
Eu pensava que o compromisso maior deveria ser "melhorar as condições de mobilidade dentro da cidade", ponto!

Cmpts

***Leitor identificado***

Civismo à la Campo de Ourique