Corpo pouco "diplomático"

A "diplomacia" do condutor deste veículo deve ter ficado no país de
origem, já que por lá este comportamento não ficaria impune.

Alexanderplatz, Berlim; a praça onde o peão é Chanceler

Todos sabemos que a Alemanha é a maior potência económica da Europa, e que a sua indústria automóvel tem um papel importantíssimo na dinamização da economia alemã, interna e externamente. Todavia há zonas sagradas, templos onde o pedestre é rei e onde os automóveis estão literalmente impedidos de violar o espaço sacrossanto do pedestre. Um desses locais é Alexanderplatz, na zona da antiga Berlim Oriental. Apesar da capital da Alemanha ser uma cidade com largas avenidas, e onde o automóvel é uma das prioridades municipais e de muitos cidadãos, criando naturalmente ruído e poluição do ar; a Alexanderplatz é um caso excecional. O repórter do Passeio Livre presenciou num espaço partilhado muito amplo, inúmeros peões, inúmeras bicicletas e mesmo vários elétricos, partilhando civilizadamente e sem registo de conflitos todo este enormíssimo espaço comum. O comércio fervilhava, as pessoas conviviam, os ciclistas circulavam calmamente e as esplanadas estavam repletas. Diríamos que como exemplo, estamos no exato ponto antagónico da praça de Entre-Campos ou da praça do Marquês de Pombal em Lisboa. 

Portugal, um país que infelizmente não tem muitos recursos financeiros, mas onde cada um acha que tem o direito de ocupar as praças, os logradouros e o espaço público com os seus automóveis importados aos alemães. Lembramos que mesmo nesta Praia Lusitana desde a fundação da nacionalidade, o espaço público sempre foi historicamente das pessoas, das crianças e dos pedestres, não dos automóveis. A BMW, a Audi, a VW e a Mercedes agradecem aos portugueses!









Ao fundo o edifício do município

Esta rua, outrora com carros, foi fechada ao trânsito automóvel

As pessoas compram e usufruem do espaço público


Calçada à portuguesa


Estação ferroviária (S-Bahn), de metropolitano (U-Bahn) e de elétrico

Apesar de ser linha do elétrico, as pessoas sentem-se seguras,
não havendo conflitos, ao contrário de uma estrada com automóveis



Pessoas vão às compras ou vêm do trabalho





Os passeios além de serem enormes pertencem às pessoas