Depois dos cachorros, hambúrgueres

Há uns dias tínhamos aqui neste local uma carrinha de cachorros com esplanada e tudo ( http://www.passeiolivre.org/2014/03/hot-dog-haters_5.html?m=1 ) . Publicámos aqui a imagem e alguém deve ter achado que o problema era não gostarmos de cachorros, então agora dão-nos hambúrgueres!!! 

O que não gostamos é de passeios ocupados! 

As manhãs da Rua São Salvador da Baía & Rua de São Paulo, em Oeiras

Não é de estranhar que muitos atropelamentos acontecem nas passadeiras. 


Na junção da Rua de São Paulo e Rua São Salvador da Baía as condições para ocorrer um atropelamento são ideais, sendo comum o estacionamento abusivo sobre os passeios, agravado pela velocidade excessiva dos carros que descem a R. São Salvador, e os que viram à direita para cima da passadeira que atravessa a R. S. Paulo.

No fim de contas o ambiente de insegurança e deterioração do meio urbano prevalece, e quem paga - com a própria vida - é quem nenhuma culpa tem: o peão.

Pavimento das ciclovias também não é para automóveis...

Em Oeiras, não há via que não seja susceptível de ser ocupada parcial, ou totalmente, por automóveis. Apesar de poucas e más, existem algumas ciclovias em Oeiras.

A das fotografias, na Quinta das Palmeiras, é uma daquelas anedotas que um qualquer autarca de intelectualidade obesa resolveu criar há alguns anos, num espasmo de preocupação com as bicicletas. Provavelmente, o objectivo não seria outro que retirá-las do caminho dos automóveis, de que este concelho tanto gosta, e com acérrimo fanatismo defende.

Naturalmente, ou não estivéssemos em Portugal e, mais particularmente, em Oeiras, a ciclovia foi ocupar o passeio e, como se isso não bastasse, não se poderia negar o acesso dos automobilistas a tanto espaço livre para estacionar.

De manhã e à tarde, o movimento é intenso, com os pais que vêm depositar e levantar as crianças à escola. De noite, serve como estacionamento particular de quem acha que deve ocupar e, consequentemente danificar, o espaço público com o seu automóvel. O resultado é óbvio, com a clara destruição do pavimento da ciclovia e, menos perceptível nas fotografias, um autêntico ondular da calçada, mais calcada nuns pontos do que noutros.

Agora que se fala tanto na calçada portuguesa, e como é imprópria para pavimento de passeios, talvez valha a pena referir que, se os passeios continuarem a servir para estacionamento de automóveis, é bom que passem a construir os passeios com betão armado, para resistirem a esse tipo de utilização...