Parque das Nações, um sucesso de pedonalidade

Não estamos no Luxemburgo nem na Dinamarca, nem muito menos num país nórdico, estas imagens são do Parque das Nações em Lisboa, uma zona onde a qualidade do espaço público e pedonal, é do melhor que já se fez em Portugal.

Tal prende-se a diversos fatores:
  • o urbanista que concebeu o Parque das Nações (PN) sabia bem que existe um lado selvagem em cada condutor português, e que o estacionamento ilegal é prática aceite e comum em Portugal, assim cada metro quadrado de passeio no PN está protegido a ferros, ou seja pilaretes, árvores, estacas ou outro tipo de mobiliário urbano. O estacionamento ilegal no PN é quase inexistente, não pelo civismo dos moradores, mas porque assim são forçados.
  • os passeios são deveras largos, dando uma sensação de conforto e liberdade ao caminhante, como nunca visto antes em Portugal em meios urbanos
  • praças largas e para as pessoas, logradouros largos e para as pessoas, vias e vielas unicamente ocupadas por crianças e por peões
  • o empedrado foi por aqui escolhido nas zonas mais interiores dos bairros, para que houvesse moderação na velocidade automóvel. Como resultado obteve-se zonas de coexistência perfeitamente seguras para todos os utilizadores da via pública
  • muitos espaços verdes
  • todos os prédios são dotados de garagem
Esperamos, considerando que CML já tomou conta desta nova freguesia, que a autarquia não deteriore a qualidade do espaço público e pedonal do PN, pois é um legado inigualável de qualidade de vida que os seus criadores deixaram à cidade de Lisboa e aos seus habitantes.