Frente Ribeirinha renovada... mas não tanto

Aquando da "inauguração" da nova Av. da Ribeira das Naus, o Presidente da CML fez questão de dar ênfase ao facto de aquele ser um espaço em que até os automóveis podem circular. Parece que é novidade, em Lisboa.

Também deve ser novidade os automóveis poderem circular nos locais privilegiados do nosso país. Nesta nova obra, a brilhante dupla de arquitectos paisagístas resolveu, em jeito de traço inovador, permitir aos senhores automobilistas apreciarem bem a paisagem, desenhando a faixa de rodagem ao longo da margem do rio. Houvesse espaço, ou orçamento para criar esse espaço, e a Avenida Ribeira das Naus passaria à frente dos edifícios das agências europeias, ali no Cais do Sodré. Quem quiser desfrutar da calmaria do rio, ouvir os navios e as gaivotas, será também brindado com o doce rolar dos pneus no nobre pavimento da nova avenida.

Por outro lado, é fácil observar como os automobilistas aproveitam o espaço deixado desocupado pelos peões. Certamente, é um sinal da sua insatisfação e indignação, por nem todos os locais terem estacionamento gratuito e em abundância, para cada automóvel. Será por isso que, em boa parte da zona ribeirinha de Lisboa, estas obras da CML apresentam a novidade de também poderem servir de estacionamento, diário e/ou nocturno. Pelo menos, a isso somos levados a crer, uma vez que muitos destes espaços não têm direito aos tão adorados e valiosos pilaretes, e as forças da autoridade não actuam em contrariedade.

Assim, será sempre lembrado que Lisboa é uma cidade amiga do automóvel, pois "todos têm direito à vida". Mas, afinal, isso é novidade?








O absurdo estende-se a Linda-a-Velha

Seguindo o "espírito" vivido em Algés, Linda-a-Velha não fica atrás
neste absurdo que é a usurpação do espaço destinado aos peões.
Passeios ocupados quando as estradas são largas, muitas vezes mesmo ao
lado de estacionamentos vazios, é algo que não faz sentido na cabeça de
alguém minimamente civilizado - algo em falta por estas bandas. Mesmo
que não haja estacionamento perto, quem tem carro apenas tem de perceber
que NÃO PODE estacionar em cima de passeios!
E mesmo que seja pago, será muito complicado perceber que ESTACIONAR o
carro é uma OCUPAÇÃO PRIVADA DO ESPAÇO PÚBLICO!... Que diriam essas
pessoas se eu montasse uma tenda em frente a sua casa? Se as esplanadas
pagam taxas de ocupação de espaço público, porque é que um automóvel não
deve pagar?

A culpa recai não só em quem estaciona deste modo. A CMO é responsável,
não só por ser conivente com esta situação, como por colocar Contentores
de Lixo em cima dos passeios, muitas vezes mesmo em frente a
passadeiras; por não fazer as recolhas de lixo atempadamente; por
colocar equipamento urbano de modo desordenado que impedem a livre
circulação nos passeios...
A PSP também é responsável, por inúmeras vezes "virar a cara" a este
tipo de actuação, mesmo quando ocorre à sua frente. A Polícia Municipal,
que de igual modo "finge" não ver o que se passa...

Algo vai muito mal, quando se alguém opta estacionar em cima do passeio
ou passadeira, porque sabe que assim não é multado, ao contrário do que
acontece se estacionar num local tarifado, onde os fiscais da Parques
Tejo prontamente multam quem não paga.