Os Reis do Mundo


Porsches, Audis, BMW, Mercedes... 
Este bando de grunhos (da sub-espécie mais rasca, que é a dos novos-ricos) faz gala em mostrar que está acima da lei. E mais: faz questão que se saiba que os 30€ (de uma eventual multa) são trocos - o que, reconheçamos, não deixa de ser verdade...

Calçada dos Cesteiros, 2-4-6; Lisboa


Calçada dos Cesteiros, a Santa Apolónia / Campo de Santa Clara.

Nestes passeios poderiam deveriam existir árvores e peões a circular. Mas em vez disso estão abusivamente ocupados por viaturas particulares. Os peões, esses têm de circular na faixa de rodagem.

O carro é ainda, o cidadão pincipal de Lisboa...

PSP, exemplos de conduta civica!!!


A Sociedade em geral nos seus valores morais e sociais está em decadência, exemplo disso é o exemplo das nossas forças de Segurança. Esta imagem vale por mil palavras. O passeio para o peão passar tinha nada mais nada menos que 20 Cm!!!Pois!!!

Sou um seguidor do seu blogue e é com prazer que os cumprimento e vos dou os parabéns pela iniciativa.

Cumps
Leitor identificado

Rua da voz do Operário, Lisboa


SEM COMENTÁRIOS!

Rua de São João da Praça (SÉ); zona gerida pela EMEL; Lisboa


Palavras para quê? É o Planeta EMEL.

Os peões e a cidade: Rua de S. João da Mata - Lapa; Lisboa


É assim na Lapa, em Lisboa. E vejam bem o estado da calçada!

Estacionamento selvagem, Alandroal


Não se passa em Lisboa, mas sim no Alandroal. nestes casos, a quem se deve apresentar a queixa? Ao própio condutor?

Largo da Estação do Rossio, Lisboa

Reparem na forma como foi gerido o espaço público, e o novo aproveitamento que deram aos passeios, essas coisas tão demodé,



 



Da blogosfera: No Reino dos Olivais

Boa tarde,

O meu nome é Gonçalo Maggessi e sou o autor do blogue No Reino dos Olivais.

Venho partilhar uma situação que expus no meu blogue e que pelo absurdo e pela barbárie da mesma decidi partilhar com o vosso blogue "Quero andar a pé! Posso?", caso estejam interessados claro!

Esta anormalidade situa-se junto ao Mercado da Encarnação Norte, na Praça do Norte nos Olivais Norte/Encarnação em Lisboa, freguesia de Santa Maria dos Olivais.


Em baixo neste email coloquei todo o texto e fotos do blog caso queiram utilizar.

Resta-me dizer que sigo o vosso blogue e quero dar os parabéns por tudo o que foi feito até agora em prol da cidadania, do civismo e principalmente em prol dos nossos passeios!

Os meus cumprimentos e obrigado
Gonçalo Maggessi

O texto e as fotos publicadas no blog:

Sei que não publico nada há algum tempo, principalmente porque tenho tido outros projectos que me ocupam o tempo, mas esta situação não podia deixar passar...
Há dois dias vinha eu a passar junto ao Mercado na Praça do Norte quando me deparei com a situação que podem ver nas fotografias seguintes.







Perguntei para mim: O QUE É ISTO???
Quem será o responsável por esta barbaridade, a Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais ou a Câmara Municipal de Lisboa?

Quem quer que seja a entidade responsável deveria ser chamada à razão, deveria debruçar-se sobre aquilo que foi e está feito. Toda a gente sabe que esta zona tem problemas de estacionamento devido à concentração de comércio, restaurantes o que faz com que haja muita afluência de automóveis e pessoas mas... não é desta maneira que se resolvem os problemas!

Estraga-se uma calçada, priva-se os peões de andarem no passeio que é reservado para eles, porquê?
Porque os automóveis não podem estacionar cem metros à frente, porque não se dão ao trabalho de pensar em soluções diferentes como aproveitar espaço do campo de basquetebol degradado e vandalizado para criar uma zona de estacionamento à semelhança do que se passa no Mercado da Praça das Casas Novas, apesar de neste local, infelizmente, ser também em cima da calçada.

Porque não colocaram pilaretes que tão bem "semeiam" noutros locais do nosso bairro mas que aqui não servem para impedir o estacionamento em cima do passeio. Para ilustrar a gravidade desta situação deixo-vos com as imagens de um pai que passeia com o filho de triciclo e é obrigado a ir para a estrada porque não consegue circular no passeio que lhes deveria ser reservado.

Isto, é claro, a aliar ao civismo de muitos automobilistas que, infelizmente não respeitam os espaços que não lhes são reservados (como é o caso do estacionamento para motociclos). E também não respeitam os espaços que mal ou bem lhes são reservados e depositam, deixam os carros de qualquer maneira para lá das linhas marcadas na calçada.

Mais uma vez o que se impunha nesta zona era a colocação de pilaretes para impedir o estacionamento em cima do passeio e o estudo de alternativas viáveis para estacionamento regrado nas imediações.
Ninguém morrerá se andar cem ou duzentos metros para ir ao Mercado, mas alguém poderá morrer se tiver que circular na estrada porque não o pode fazer no passeio.