A tragédia pedonal na Rua Barata Salgueiro, LISBOA

Um magno contributo do que se passa em Lisboa perante a conivência gritante das autoridades

















CASCAIS: passeios junto da Casa de Santa Maria / Farol de Santa Marta


Imagens da ocupação abusiva dos passeios de acesso à Casa de Santa Maria / Farol Museu de Santa Marta por viaturas automóveis.

Mais um triste exemplo da falta de respeito pelos direitos e segurança dos peões em Portugal.

E estão assim as paragens da CARRIS!!!


Um dos nossos seguidores indignados, assim refere:

Em anexo, envio imagens de 2 paragens situadas na cidade de Lisboa e que servem de abrigo aos passageiros da Carris. A primeira fica situada no Pote de Água (Av. do Brasil) e está colocada atrás de lugares de estacionamento. A segunda, situa-se na Rua da Palmeira (entre S. Bento e o Principe Real), colocada entre as duas portas de um café. Não se trata obviamente de um problema de "andar a pé", mas sim de um problema de respeito pelo passageiro e pelo código da estrada.

Obrigado


***Leitor identificado***

__________

Não era mal visto começarem a converter estes popós em transporte público...

Isto em tempos foi um LARGO


Um nosso seguidor assim nos refere:

A placa central no Lg. da Madalena, essencial para a circulação pedonal (esta placa serve duas passadeiras) está cronicamente no estado em que se vê na imagem em anexo. Como é que os peões podem circular devidamente e em segurança com este local cheio de veículos motorizados? Falta mais fiscalização mas falta também civismo! Obrigado.
***Leitor identificado***

Benfica | Multar os carros na estrada SIM, no passeio NÃO



Transcrevemos na íntegra uma missiva enviada com nosso conhecimento, para a PM de Lisboa, para a CML, e para a junta de Benfica, por uma das nossas seguidoras

_______________

Exmos. Senhores,
No dia 12 de Setembro, foi feita uma caça à multa na Rua Eng.º Paulo de Barros, no Bairro de Santa Cruz, em Lisboa, tendo sido autuados dezenas de proprietários de veículos estacionados numa rua larguíssima que em nada prejudicava trânsito, peões ou quaisquer ocupantes da zona.
Volvido um mês, ninguém se atreve a estacionar no meio da referida faixa, que tem espaço para 5 faixas de carros (pasme-se!), mas os veículos continuam estacionados em cima do passeio, e em cima da passadeira, impedido que os peões atravessem em segurança ou sejam visíveis para quem circula na estrada e lhes permita parar com tempo e distância suficiente do atravessamento.
Envio fotografias quer da Rua Eng. Paulo de Barros, no Bairro de Santa Cruz, quer na Rua da Venezuela - local que não me canso de denunciar mas não vejo nada nem ninguém fazer quaisquer diligências para acabar com este problema grave de segurança e falta de civismo.
Será desta??
***Leitora identificada***



Praça de Espanha, Lisboa


Transcrevemos na íntegra a missiva que recebemos

___________

Bom dia
Mais uma situação das muitas que se repetem, junto à mesquita, ao pé da Praça de Espanha.
Muitas e muitas fotos foram enviadas à Emel, desta e de outras que vos vou enviar.
A resposta é sempre a mesma, isto é, que o assunto vai ser encaminhado para o departamento responsável.
O certo é que todas as sextas feiras há um desrespeito total entre as 12h30 e 14h30.
A festa também continua aos fins de semana.
Curiosamente os agentes da Emel devem ir almoçar todos ao mesmo tempo, pois durante este período desaparecem.
Cumprimentos
**Leitor identificado***

______________

Mais um caso gritante de uma cidade entrgue aos FDP, leia-se, fanáticos dos popós...


E temos de pagar os ordenados a esta gente!!

 Rua Infante D. Pedro
31 Out 11 - 10h23m
 Idem
7 Nov 12 - 12h05m
.
As fotos foram tiradas no mesmo local (a de cima nem sequer é nova), e ambas mostram fiscais da EMEL a passarem por viaturas em estacionamento selvagem... e a não fazerem nada.
Não se sabe que explicação a senhorita da imagem de cima teria para a sua passividade - o mais provável é ter medo dos taxistas, como bem se sabe que sucede (com a EMEL e com a polícia).
Mas já o esforçado profissional que se vê na foto de baixo teria uma justificação mais do que aceitável: é que a carripana é da sua entidade patronal (a Câmara Municipal de Lisboa...), e está ali, a dar este triste espectáculo, todas as quartas-feira de manhã, a bem da Cultura - nomeadamente da cultura cívica de quem nela manda.