Sensibilizar cidadãos e governo para o impacto da qualidade do território na qualidade de vida, desenvolvendo acções para melhorar o actual estado de caos

Olá a todos

Resolvi aproveitar a oportunidade dada pelo governo e utilizar a plataforma "O Meu Movimento" para criar um movimento sobre ordenamento do território, urbanismo e arquitectura. Uma vez que me parece que muita gente aqui do blog terá também interesse por estes temas, resolvi dar-vos a conhecer o movimento, que está acessível neste link:

http://www.portugal.gov.pt/pt/o-meu-movimento/ver-movimentos.aspx?m=1084

Caso estejam de acordo, apoiem o movimento usando o botão respectivo, e se acharem adequado divulguem no blog!

Abraços a todos!









Sensibilizar cidadãos e governo para o impacto da qualidade do território na qualidade de vida, desenvolvendo acções para melhorar o actual estado de caos.


O Ordenamento do Território (a definição de quais actividades devem ser localizadas em cada área do território), bem como o Urbanismo (a forma como os espaços urbanos são pensados e desenhados) e a Arquitectura (o desenho dos edifícios em si) são três factores determinantes para a qualidade de vida da população, e têm grandes implicações no desempenho económico do país: áreas urbanas mal desenhadas exigem muito mais recursos para serem adequadamente servidas por estradas e redes (de transportes, energia, saneamento, telecomunicações, etc.) e com equipamentos colectivos (escolas, hospitais, polícia, teatros, cinemas, campos desportivos, jardins, etc); são ainda mais difíceis de limpar e de policiar; e por outro lado geram mais custos, ao obrigarem a percorrer maiores distâncias – roubando aos cidadãos tempo que poderiam usar para si ou para os seus, e fazendo-os gerar mais poluição e acidentes com essas deslocações desnecessárias. São também estes três factores que definem a agradabilidade do espaço urbano e a forma como as pessoas se relacionam com esse espaço – e quanto melhor for essa relação, maior será o incentivo à preservação dum espaço que é de todos. Durante várias décadas estes aspectos foram descurados por todos, permitindo-se situações incríveis e praticamente irreversíveis, que destruíram por completo diversas áreas urbanas e rurais (exs.: o crescimento desordenado dos subúrbios de Lisboa e do Porto; a decadência de muitos centros urbanos consolidados; a destruição da beleza da costa Algarvia com urbanizações turísticas caóticas e desqualificadas, etc). Isto aconteceu tanto por incúria das entidades responsáveis como por falta de acção dos cidadãos, que por desconhecimento não souberam exigir os devidos padrões de qualidade que um país com a beleza natural e patrimonial de Portugal merecia. Como resultado, temos hoje um país com vastas áreas residenciais descaracterizadas, feias, disfuncionais, marginalizadas, deprimidas e sem qualidade ambiental, sem espaços verdes de qualidade, e por outro lado com núcleos históricos valiosíssimos mas degradados e decadentes. Tudo isto ligado por más redes de transportes e intercalado por territórios desqualificados sem carácter urbano nem rural, mas que oferecem o pior destes dois mundos. Por falta de informação e desconhecimento de outra realidade que não esta, os cidadãos nem percebem que os locais onde vivem (e por inerência também a sua qualidade de vida) podiam ser muito melhores do que o que são, e como tal não exigem mais do que aquilo que têm, nem colaboram activamente nessa melhoria. E assim a situação vai-se eternizando numa espiral que, se não for combatida, levará a que Portugal se torne num país com um “desordenamento” indigno dos seus desígnios, do seu potencial e da sua história. Assim, so propósitos deste movimento são (1) sensibilizar a população para o que são a qualidade do Ordenamento do Território, do Urbanismo e da Arquitectura, e as implicações destes na sua vida diária: nas suas deslocações e no acesso a locais importantes, na qualidade do ambiente em que vivem e na beleza da paisagem que vêem todos os dias, na quantidade das oportunidades de lazer de que usufruem, na eficiência das infraestruturas que as servem, etc.; (2) levar à alteração das leis e à maior eficiência do seu cumprimento, por forma a corrigir e a melhorar a qualidade do território que hoje o país apresenta; e (3) mostrar aos cidadãos que é necessário um trabalho conjunto com as entidades públicas para levar a cabo estas melhorias, dando-lhes a conhecer os seus direitos (exigir qualidade, fiscalizar acções) e os seus deveres (cuidar e zelar pelo bem público, ter pro-actividade na busca e na aplicação de soluções, obedecer às regras em vigor). Se também sente que o território português está muito aquém do que podia e devia estar, e se acredita que os cidadãos podem iniciar a mudança para o melhorar, junte-se a este movimento. Vamos fazer de Portugal um país melhor!
---

Aqui ficam umas instruções rápidas sobre como apoiar o meu movimento:

1) Vão a esta pagina e registem-se, seguindo as instruções:
http://www.portugal.gov.pt/pt/perfil.aspx

2) Depois de estarem registados façam login, e depois acedam ao meu movimento através do link:
http://www.portugal.gov.pt/pt/o-meu-movimento/ver-movimentos.aspx?m=1084

3) Depois disto, é só clicarem no botão "Apoiar" que aparece no final da pagina, do lado direito!

Envio-vos em anexo algumas imagens que são uma pequena amostra do motivo pelo qual acho que isto é um assunto muito importante para o nosso país...

Apoiem e divulguem até ao dia 29/Fev!