Quando eles querem...!


Porventura devido à "sugestão de protesto" aqui lançada, foi possível ver ontem (e, possivelmente, pela 1ª vez em muitas semanas!) um destes veículos ao serviço da Carris (cuja função é desimpedir as paragens e faixas BUS) a fazer o seu trabalho!
NOTA: números divulgados há algum tempo indicavam que, para os 600 ou 700km de linhas da empresa, havia 3 carros destes...

Sugestão de protesto










Do lado direito deste blogue indica-se que o estacionamento selvagem nas paragens dos transportes públicos também cai na alçada do autocolante do Passeio Livre - e, por extensão, de outras formas de protesto, desde que legais e pacíficas. Ora, dado o escandaloso aumento de preços dos transportes públicos (e que não vai ficar por aqui, como já foi anunciado pelo governo), propõe-se, hoje, aos leitores deste blogue, uma forma de luta que se passa a explicar:

Quem costuma acompanhar os comentários dominicais do Professor Marcelo Rebelo de Sousa sabe que ele tem o saudável hábito de responder a perguntas de leitores - mas apenas as que foram formuladas por muita gente. Assim, o que aqui hoje se sugere é que, de preferência nos próximos dias, os leitores do Passeio Livre escrevam para perguntasamarcelo@tvi.pt colocando, nos termos que cada um achar melhor, a questão que se pode resumir no seguinte:


«Se o aumento do preço dos transportes públicos é motivado pelo respectivo prejuízo, porque é que as autoridades (governamentais e autárquicas) não se preocupam minimamente em facultar-lhes condições de trabalho - nomeadamente no que toca a fluidez e mobilidade dos autocarros e eléctricos?»



Carris estima que o aumento de 1 Km/h na velocidade comercial resulte na diminuição do défice comercial verificado na empresa em cerca de € 5 milhões.