O Director da António Arroio gosta de dar o exemplo...


Recebemos este e-mail de um leitor que começa por citar um outro que o director da Escola Artística António Arroio enviou para todos os professores da escola: 

> From: director@antonioarroio.com
> Date: Thu, 16 Dec 2010 08:22:23 +0000
> Subject: Aparcamento de viaturas

> Caros colegas,

> Como é do conhecimento de alguns de vós, ontem fomos novamente surpreendidos pela PSP que, numa atitude absolutamente inadmissível, deu em multar todas as viaturas que se encontravam junto ao recinto escolar do parque de monoblocos, não só junto ao passeio do lado de lá da rua, como já fizera recentemente, como também no passeio contíguo à vedação.
> No passado dia 22 de Outubro, na sequência de um pedido de vários colegas mobilizados pela Manuela Marques, enviei um ofício acompanhado de duas folhas com matrículas de automóveis e nomes de seus proprietários para a Câmara Municipal de Lisboa solicitando que nos deixassem estacionar nesta área e, inclusivamente, sobre os passeios. Nesse mesmo dia os serviços da CML acusaram a recepção do ofício informando que ele deu entrada com o número CML-68165-WS8S. Até hoje não obtivemos qualquer outra resposta.
> Na sua reunião de ontem, o Conselho Geral aprovou uma moção de protesto pelo sucedido. Hoje mesmo voltarei a oficiar a CML reclamando pela resposta ao ofício que tarda. 

> Abraço.
> JP


O estacionamento em torno da mesma é do mais abusivo que há - com a agravante, devido às obras em curso, de os alunos terem aulas em dois locais distintos, e para se deslocarem entre eles, serem obrigados a andar na estrada, pois os passeios estão todos ocupados. Como se não bastasse, as estradas estão sujas com as lamas que os veículos das obras libertam, aumentando a situação de perigo. 

Sei que a CML já respondeu, declinando o pedido, mas acho que eles vão voltar a fazer diligências no sentido de tentar a impunidade. É triste...

Esta é uma escola, onde os alunos tinham menos espaço no recinto da escola, para que os professores pudessem ter um estacionamento privativo e gratuito. Os campos de basket e volei foram desactivados, para o efeito. Não sei como ficará o espaço exterior da escola, depois das obras, mas não me surpreendo se ficar na mesma. A escola é muito bem servida por transportes públicos (fica entre a estação de Metro da Alameda e a das Olaias), para não falar em inúmeros autocarros que param lá perto.


A imagem seguinte foi retirada do Google Street View, e é anterior ao início das obras. Se já antes isto era assim, actualmente ambos os lados da rua estão completamente ocupados por automóveis, e os alunos são obrigados a andar no meio da estrada para se deslocarem aos contentores onde provisoriamente também têm aulas (ao fundo desta rua, do lado direito).


Cumprimentos,


Um leitor

PS Ainda sobre o absurdo desta ocupação selvática em torno de estabelecimentos de ensino com a conivência e cumplicidade da direcção ver esta sequência de 7 postas no excelente blog A Nossa Terrinha sobre o que se passa em torno da Universidade de Coimbra.

O dobro de ZERO...

A notícia de cima tem sido muito comentada. O problema é que, para desbloquear um carro, é preciso que, antes, ele tenha sido bloqueado - e é isso que, em certos locais (como os que aqui se mostram), nunca sucede.

As 3 fotos de cima, p. ex., mostram uma esperteza-saloia que já aqui foi referida, mas que continua a dar resultados infalíveis: trata-se de estacionar o carro "apontado" para uma entrada de um pátio (onde há estacionamento) e ir à sua vida.
A de baixo só aqui está porque documenta uma cena que se passa, quase todos os dias, a poucos metros da AML.
Em nenhum destes casos há memória de os infractores terem sido incomodados.
Porquê será?