Estacionado em cima do passeio com autocolante

Este Ford Focus Station encontrava-se, à data das fotografias em anexo, estacionado em cima do passeio já desde as 9 horas da manhã, ocupando parte de uma rampa de acesso para cadeiras de rodas, na Rua Tratado de Tordesilhas, sendo que à hora a que tirei as ditas fotos, já eram 16 horas e ainda se encontrava no mesmo sitio. A rua referida tem estacionamento com fartura e há sempre lugares disponiveis, pelo que não se admite que ainda haja quem pense que pode estacionar em cima do passeio, como o condutor deste veiculo assim o fez. Colei-lhe um autocolante como forma de protesto, esperando que o mesmo venha a surtir efeito e mude a mentalidade tacanha de quem faz este tipo de imbecilidade.




O "passeio" da Doutora!

Actualização: Concluímos que o nosso leitor não interpretou devidamente a situação. Apesar de ser uma situação confusa, não temos qualquer motivo para duvidar da palavra da Clara de Sousa pelo que pedimos desde já desculpa: durante o programa a Clara de Sousa refere-se ao uso de um acesso a garagem e não ao estacionamento sobre o passeio. Ver comentário da própria Clara de Sousa a esclarecer a situação e o vídeo do programa (a partir dos 4:40 minuto). Com a publicação desta carta do leitor pretendíamos ilustrar a banalização do estacionamento ilegal praticado até por pessoas que admiramos (familiares, amigos, personalidades públicas, etc.).


Mas a Clara de Sousa é uma figura pública que afirma que nunca estaciona o carro em cima do passeio. 
Os nossos parabéns!


--
A afirmação poderá ter passado desapercebida devido ao tipo de programa em que foi pronunciada mas quem esteve mais atento às palavras proferidas, terá certamente ficado com uma ideia mais exacta de do que esta gente entende por “civismo”.

No programa “Tás aqui tás apanhado” da SIC, no passado dia 27/09, pregaram uma partida à apresentadora/jornalista Clara de Sousa. Um suposto fiscal da Câmara apareceu-lhe à frente da vivenda com uma equipa de calceteiros para recuperar a calçada do passeio frente ao portão da vivenda mas exigindo que fosse a “Dra.” a pagar a reparação.
O episódio decorre entre a insistência por parte do fiscal, de que a “Dra.” devia pagar o arranjo da calçada e as tentativas por parte da Dra. de contactar com os responsáveis da Câmara para deslindar o imbróglio.
A certa altura, o suposto fiscal diz à Dra. Clara de Sousa que estão a fazer o trabalho por denúncia do vizinho, ao que a Dra. responde sem qualquer hesitação que isso era impossível, na medida em que o vizinho era muito boa pessoa com quem mantinha óptimas relações de cordialidade e para o provar acrescenta o seguinte: nós somos bastante amigos e umas vezes estaciono eu em cima do passeio dele e outras estaciona ele em cima do meu passeio.

Palavras para quê? Ficamos a saber que, tanto a Dra. Clara de Sousa como o vizinho, estacionam as suas potentes bombas em cima dos passeios e que cada um deles é detentor do “seu passeio”!

F.

Uma província do Reino do Absurdo



Lagos - Av. dos Descobrimentos
As duas fotos de baixo foram tiradas uma a seguir à outra, e a partir do mesmo ponto
.
As imagens documentam um dos muitos absurdos em que esta cidade é pródiga: nas zonas concessionadas à Futurlagos, os condutores que não tenham pago o estacionamento são impiedosamente multados. Mas aos que,  na mesma artéria, estacionam  durante todo o dia sob a protecção - p. ex. -  do "Espírito Santo", não acontece rigorosamente nada - e alguns deles até colocam o pára-sol!
.
NOTA: a ideia é que as infracções destes últimos sejam punidas pela PSP. Ora, como muito bem sabe quem já passou por essa terra, isso nunca sucede. Aliás, e no que toca ao estacionamento selvagem, a insensibilidade dos condutores, dos peões, dos moradores, dos autarcas e da polícia de Lagos deixa Lisboa a perder de vista - o que, convenhamos, é obra!