Lagos - Falta de Opção?

«Estas duas fotos, tiradas em Lagos, são da mesma zona.

Uma delas mostra a infinidade de lugares disponíveis, gratuitos.
A outra mostra um pormenor da zona que se vê em último plano, na anterior.»

«Repare-se bem nesta cena:
Lugares de estacionamento vagos e gratuitos a perder de vista.
Ao fundo, uma caravana estrangeira, bem estacionada.
Em primeiro plano, um carro português... com duas rodas em cima do passeio... só para chatear!»

Contribuição de um colaborador,

O cidadão principal de Lisboa?

Será este o cidadão principal de Lisboa? A viatura de transporte particular?
 
(Imagem de um arruamento na Freguesia do Alto do Pina)



Pilaretes - ou "sim" ou "sopas"






Seja qual for a opinião (e a opção que se tome) quanto ao uso dos pilaretes, uma coisa é certa: uma vez que uma autarquia decida colocá-los, assume, perante a colectividade, a obrigação de os manter em condições, pois é precisamente para coisas como essas que os munícipes pagam pontualmente o ordenado aos respectivos funcionários - e 14 meses por ano.

E, por favor, não nos venham com a conversa-da-treta de que não há dinheiro - ou será que não sabem quanto valem as coimas que todos estes condutores (que aproveitam a vossa incúria temperada de incompetência) estão dispostos a pagar?!

Encontrou um autocolante no vidro do seu automóvel?

Prezado(a) concidadão(ã):

Obrigado por demonstrar interesse em conhecer as ideias que estão por trás do autocolante posto no seu carro. A ideia fundamental é de que, por maiores que sejam os seus problemas de estacionamento, não podem ser resolvidos à custa do peão nem cabe ao peão resolvê-los (compreenda que muitos dos que aderem a esta iniciativa também são condutores e sabem que é possível não estacionar nos passeios ou passadeiras).

Somos muitos, mas andávamos calados ou - porque dispersos - não nos fazíamos ouvir.

É bem possível que, se não tivesse surgido o autocolante, o seu carro estivesse hoje com um risco na pintura ou um retrovisor partido. O autocolante surge precisamente como alternativa de expressão civilizada de uma indignação que não deve ser subestimada. Não queremos impor danos a ninguém, opomo-nos clara e frontalmente a qualquer tipo de vandalismo, mas queremos que ouça a nossa indignação, que a considere, e, finalmente, que se deixe tomar por ela.

Saiba, portanto, que sempre que estacionar no passeio ou na passadeira estará a causar profunda indignação a muita gente, e a grande maioria não terá autocolantes à mão.

Colabore connosco partilhando o seu ponto de vista com os argumentos que julgar pertinentes. Somos todos ouvidos.

Passeio Livre


Imagens de Lisboa

2 Jul 10
.
Nas primeiras imagens: como se fosse a coisa mais natural do mundo, uma senhorita sobe o passeio (já agora, numa passadeira de peões...), deixa o carro onde mais pode estorvar, e vai às suas comprinhas.

Nas seguintes: um cego debate-se com outros obstáculos, já depois de ter ultrapassado o anterior...
.

«Colabore na preservação, pois...»

«Bom dia, queria chamar a atenção para o constante desrespeito dos condutores por tudo o que não faça parte da vida deles. Cenários de carros invadindo passeios e destruindo-os são cada vez mais comuns, e ao contrário do que a polícia diz, sem impugnação dos responsáveis. Este é um grande exemplo de uma placa solicitando a preservação de zona verde, destruída e no seu local uma "impressão digital" dos culpados do costume. Este é o passeio em frente da Escola Nova Apostólica em Carcavelos, mas poderia ser num local qualquer. Para quando isto vai acabar?? Para quando é que se vai penalizar a sério quem trangride a lei e coloca em perigo os outros?? Não serve de nada multar num dia (se é que isso acontece) e não voltar lá nos outros. Primeiro tem de se fazer cumprir a lei, essa é a obrigação da polícia e da autarquia, e não facilitar para ganhar votos.»
e-mail enviado para o gab.municipe@cm-cascais.pt, CC ao PL