Mais 1000 autocolantes na rua!


Mais 1000 autocolantes enviados.
Obrigado por colaborarem no combate à invasão do espaço que pertence ao peão!

Passeio Livre.

PS: Há muitos mais, de onde estes vieram! Peçam. Nós enviamos.


Pilaretes - Um mal necessário?


A imagem de cima já aqui foi afixada, e é uma de várias (ver três aqui e duas aqui) que documentavam cenas verdadeiramente surrealistas de uma Escola-dita-de-Condução (ou clube recreativo?) que completava as suas requintadíssimas aulas práticas com subidas, descidas e manobras completas nos passeios da Praça de Alvalade!
Espera-se, agora, que os pilaretes lá colocados façam aquilo que a EMEL, a PM e a PSP nunca conseguiram (ou quiseram) ali fazer: impedir essa vergonha.

Ainda o Amadora-Sintra

Mesmo que não se concorde com o uso de pilaretes, uma coisa é certa: uma vez que alguém decida aplicá-los, esse "alguém" (pessoa ou entidade) assume a responsabilidade cívica por os manter em bom estado (ou, pelo menos, em pé!).

Infelizmente, isso está longe de suceder no Hospital Amadora-Sintra, onde quase todos os pilaretes apresentam o aspecto vergonhoso que aqui se vê - com as consequências evidentes, e que a imagem de baixo bem documenta.

O QUE NOS RESTA?

Quando as autoridades policiais não actuam, quando os funcionários das empresas municipais pouco fazem, quando o poder político autárquico se demite, o que fazer?

CM ALMADA e ECALMA

«Carros estacionados em cima do estreito passeio, mesmo à porta da CM ALMADA e uma funcionária da ECALMA assiste de mãos no bolso, sem nada fazer.
E esta?»
Contribuição de um leitor

Diplomaticamente toscos

Lisboa - Av. da República
15 Mar 10 - 16h45m
.
A propósito do que se refere no post anterior (e do que se passa "no estrangeiro"), repare-se nestes dois carros do Corpo Diplomático (de um país-dito-civilizado?) e na imagem que os seus motoristas dão do país que servem.

A Estupidez não é uma deficiência. Estaciona noutro lugar!

O autocolante com a frase que aqui se vê é usado nos países de língua inglesa para reclamar com quem estaciona nos lugares reservados a pessoas com deficiência devidamente autorizadas.

Em Portugal  a Associação Portuguesa de Deficientes decidiu inovar e já começou a reclamar para si, o espaço que é de todos. O leitor que enviou esta foto diz com ar resignado: Um tipo já não sabe se há-de rir, ou de chorar...


Quem faz e quem deixa fazer não tem vergonha na cara?


Lisboa - Av. de Roma
14 Mar 10 - 15h24m
.
A senhora idosa que se vê na imagem pode agradecer as dificuldades com que se depara a uma "santa aliança" de três "entidades" que Lisboa bem conhece:
  • As bestas-quadradas que, todos os dias, estacionam impunemente neste passeio (carros, jipes, carrinhas - e até camionetas!).
  • Os fiscais da EMEL e agentes da PM e da PSP, cuja actividade é insuficiente (ou mesmo nula) permitindo a referida impunidade.
  • O idiota-chapado que meteu pilaretes em toda a zona menos ali - o que, por sinal, sucede em vários pontos de Lisboa, "criteriosamente escolhidos", como já tem sido referido e está amplamente documentado.
 *
NOTA: ao contrário do que se possa pensar (e é dito por um leitor, em comentário), no lugar da pedra arrancada nunca houve nenhum pilarete, como se pode confirmar [aqui]. O que houve - isso sim - foi um pino de plástico que alguém ali colocou e que, durante duas semanas, fez mais pelos direitos dos peões do que uma legião de fiscais - ver [aqui].
.

    Passadeiras em Campo de Ourique II

    «Pois é, a tempo das eleições e 2 meses depois de ter começado a ser alcatroado o bairro, Campo de Ourique já tem a QUASE totalidade das passadeiras que tinha há 2 meses.

    Mas não são umas quaisquer passadeiras, não, estas são as dos modelos 2009.
    Versões Ecoponto, versões onde é possível estacionar sem deixar o carro em cima dos riscos, versões timidas que só existem no meio da rua (a mim parece-me que ao ser pintada havia um carro ali estacionado), passadeiras em escada, em cada risco tem a seu estilo, e claro está, a mais importante de todas, a passadeira para todos os condutores sem civismo, e tantos que eles são por estes lados.»
    Contribuição de um leitor