Tiremos-lhe o chapéu!


Lisboa - Praça do Areeiro
Para poder arrumar o carro num lugar tão aconchegadinho, este verdadeiro artista entrou pela passadeira de peões da Av. João XXI, percorreu todo o passeio que se vê na imagem de baixo, virou à sua esquerda, e ainda fez inversão de marcha (para depois sair mais facilmente)!

A dois passos da A. M. Lisboa...



Estas duas duas imagens mostram-nos o impensável nível de caos e de impunidade que se atingiu  (e já é imagem-de-marca) nas "avenidas novas":

Na de cima: à esquerda, carros ocupam o estacionamento para motociclos junto à Telepizza. - cujas motorizadas são, em consequência, deixadas no passeio. Ao centro, carrinhas e camionetas estacionam na esquina e na faixa da esquerda. À direita, a camioneta do talho "Boutique da Carne" contraria o nome finíssimo do estabelecimento - estacionando (como sempre faz, de segunda a sábado) em cima do passeio.

Na de baixo: repare-se como quem colocou os pilaretes (na esquina  da Av. de Roma com a Óscar Monteiro Torres) teve o "cuidado" de (ao contrário do que acontece em quase todo o lado nas "avenidas novas") deixar desimpedida a entrada para o passeio... O mesmo "carinho" beneficiou (como se vê do lado direito) a camioneta do talho.

Nano-mini-micro-passeios e o Natal



É compreensível que ninguém tenha prazer em ir às compras fora de um centro comercial. Como se não bastasse termos nano-mini-micro-passeios irregulares, atravancados de pilaretes, caixotes do lixo, paragens de autocarro, ecopontos e carros estacionados, muitos edifícios estão sujos ou em ruínas, o que completa toda a aura de desprezo e degradação. Para rematar a coisa, ainda nos chove em cima - o que é o menos, mas tentem fazer passar duas pessoas com chapéu de chuva em menos de 1m de passeio!

AB



A malta do «Estamos a trabalhar!»


Lisboa, Av. João XXI, 23 Dez 09

passeio na Rua António Maria Cardoso (antiga sede da PIDE)

Envio uma foto do passeio da Rua António Maria Cardoso que ainda está obstruído com uma construção abarracada das obras do novo condominio (antiga sede da PIDE). Foi uma pena a CML não ter exigido aos proprietários do novo condomínio a execução de um passeio mais largo. A cidade devia ter aproveitado a situação para se alterar a geometria do estacionamento de modo a permitir a construção de um passeio mais generoso para os peões. O actual nem dá para duas pessoas circularem lado a lado. Cabe a todos nós pressionar a CML par o alargamento deste passeio no futuro.

Feliz Natal e Bom 2010!

MJS






Funcionários da EMEL não pagam multas


Funcionários Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa acumulam dívidas de milhares de euros em multas por estacionamento irregular em zonas geridas pela própria empresa.

Funcionários da EMEL – Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa – acumulam dívidas de milhares de euros em multas por estacionamento irregular em zonas geridas pela própria empresa.
O CM apurou, por exemplo, que a secretária do presidente do Conselho de Administração da EMEL, António Júlio de Almeida, contava em 16 de Dezembro passado com 282 avisos de pagamento, que totalizam 1296 euros.

A este valor acresce ainda um mínimo de 8469 euros, no caso de a empresa proceder ao levantamento da contra-ordenação, que, de acordo com o Código da Estrada, se pode situar entre os 30 e os 150 euros para situações de incumprimento da proibição de estacionar em zonas de duração limitada. O valor destas contra-ordenações é pago à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, que posteriormente transfere 30 por cento da quantia para a EMEL.

Outro caso diz, curiosamente, respeito a uma funcionária do departamento de contra-ordenações da EMEL que no dia 17 de Dezembro contava com 496 avisos de taxas de estacionamento, num total acumulado de 2371 euros. Se somarmos a esta quantia, o valor da aplicação da contra-ordenação, esta funcionária contabiliza uma dívida total de 17 251 euros.

A EMEL não respondeu às solicitações do CM para prestar esclarecimentos sobre esta matéria. Um antigo administrador da empresa garantiu, porém, que estes casos 'são apenas a ponta do icebergue', adiantando que, durante o seu mandato, havia uma lista com cerca de 12 funcionários em situação de dívida para com a empresa.

Este responsável tentou, aliás, contornar algumas situações, recordando um caso particular em que conseguiu acertar com o funcionário o pagamento da respectiva dívida em prestações. No entanto, por estar 'isolado' no Conselho de Administração, a medida não se generalizou.

In Correio da Manhã
21 Dezembro 2009 - 00h30

Bloqueador de Consciência


Olá amigos do passeio livre,

Mando-vos uma foto de uma acção que criançada de Almada levou a cabo no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2009. Se a poderem publicar no blog era óptimo!...

Abraços,
pm