Secretário-geral do Gabinete de Segurança Interna ferido em acidente


View Larger Map

Os dois responsáveis dirigiam-se para o Ministério da Administração Interna (MAI), para assistirem à cerimónia de tomada de posse dos governadores civis. O acidente envolveu duas viaturas - aquela em que seguia Mário Mendes, que pertencia ao Ministério da Administração Interna, e uma outra da Assembleia da República.

Ambos os responsáveis feridos foram transportados para o Hospital de S. José. Para além de Mário Mendes e de Paulo Lucas, deram entrada no mesmo hospital o motorista e um elemento do Corpo de Segurança Pessoal.

Segundo uma nota do hospital, emitida depois das 21 horas, todos os feridos estão em "situação estável com prognóstico favorável". Mário Mendes está a ser submetido a uma intervenção cirúrgica à face e Paulo Lucas está a realizar exames complementares.

O acidente teve lugar sensivelmente a meio da avenida, perto do Cinema S. Jorge. No local estiveram três ambulâncias do INEM e duas viaturas dos bombeiros para desencarcerar as vítimas.

Sabe-se que as viaturas envolvidas eram dois carros descaracterizados de alta cilindrada que seguiam em alta velocidade e que o embate projectou uma das viaturas contra um semáforo e uma placa publicitária. Um dos automóveis envolvidos pertence ao parque automóvel da Assembleia da República, confirmou ao PÚBLICO o chefe de gabinete do presidente Jaime Gama. "Na viatura seguiam dois motoristas do Parlamento mas não sofreram qualquer ferimento."

O acidente provocou problemas de circulação em toda a baixa da cidade e afectou também a zona do Marquês de Pombal e Saldanha. O trânsito foi desviado para as artérias laterais da avenida.


Ministrou visitou feridos no hospital

O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, visitou os feridos do acidente, tendo saído do Hospital de São José sem prestar declarações.

Fonte oficial do hospital confirmou à Lusa que o ministro Rui Pereira esteve no local, "foi visitar todos os doentes e foi-se embora".

O director nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), Francisco Oliveira Pereira, esteve também no Hospital São José, tendo igualmente abandonado o local sem prestar declarações.

Fonte: Público
___________________________________________________________________________________


Nota do Passeio Livre:

No google street view está documentada uma das maiores vergonhas da cidade de Lisboa. O passeio da Rua Henriques Nogueira, traseira da Câmara Municipal de Lisboa está constantemente ocupado por lugares reservados do Ministério da Administração Interna em cima do passeio.

Os polícias, como se vê na foto são totalemente coniventes com a situação e até têm uma esquadra que faz esquina com esta rua. Existe mesmo um sinal a institucionalizar o abuso.

Esta notícia e este passeio ocupado são apenas uma imagem do desleixo e leviandade que existe em relação à segurança interna de um país. Nomeadamente, a rodoviária.

Rua de Santa Marta

Uma das designers de um dos autocolantes mandou-nos este mail:

Mesmo supondo que não tinha lugares (ali ao ladinho) quando chegou, mesmo supondo que a sua costela animal o "obrigou" a estacionar em cima do passeio, em frente à passadeira, roça o pitecantropo não tirar a lata quando, à volta, é o que se vê.







Outro assunto:

Não sou jurista, não faço ideia da idiotice desta ideia mas, numa noite mal dormida, lembrei-me de uma coisa: se é possível "alugar" agentes da PSP para pôr à porta, para vigiar o Bairro Alto (pagos pelos comerciantes), não será possível "alugarmos" um guardazito para passar umas multas?

Acho, sinceramente, inacreditável que se possa recrutar agentes da PSP (numa força do estado isso não deveria ser possível. Quem quisesse contratava empresas de segurança). No entanto, sendo possível, não seria de "utilizar" esse recurso?

O Passeio Livre tinha o seu PSP! Tinha graça, não tinha????

Abraço
I
____

Como inspiração para as propostas do Orçamento Participativo de Lisboa, a ACA-M fez, aqui há uns anos, uma proposta para "Valorizar o património do fluxo pedonal em Lisboa" (pequeno pdf).

Orçamento Participativo

Como muito dos nossos leitores saberão, a CM de Lisboa iniciou o processo de participação no Orçamento Participativo. Desafiamos os nossos leitores a enviar-nos propostas por email ou em comentário a este post. Publicaremos as melhores.


Cara (o) cidadã (o),


No seguimento da sua participação em 2008 no Orçamento Participativo de Lisboa (OP), vimos convidá-lo a participar na 2ª edição desta iniciativa.


Este ano o OP destina-se aos cidadãos maiores de 18 anos, que podem participar apresentando uma proposta para a sua rua, bairro, freguesia, ou cidade em geral, referente a investimentos, manutenções, programas ou actividades, até ao montante de 5 milhões de euros.


Registe-se no site www.cm-lisboa.pt/op e participe nas seguintes fases:
·         Fase 1 – até 29 de Novembro de 2009
Envio de uma proposta concreta. De seguida os serviços municipais fazem a sua análise técnica e adaptam a projecto.
·         Fase 2 – 14 a 20 de Dezembro de 2009
Votação de um projecto incluindo o custo estimado e previsão do prazo de execução.
Contamos com a participação de todos, porque todos são necessários para melhorar a qualidade de vida da nossa Comunidade.


Por isso, divulgue o Orçamento Participativo junto de amigos e conhecidos. E participe no processo marcando a diferença. Com a sua colaboração, conseguiremos dar um novo impulso a Lisboa!


Lisboa, Novembro de 2009
Com os melhores cumprimentos,
Graça Fonseca
Vereadora da Modernização Administrativa