Fecham os olhos a contra-ordenações simples



«Os veículos de matrícula estrangeira em local de estacionamento proibido não estão a ser autuados com coimas simples pela PSP e GNR em todo o País. Ao que o CM apurou, as forças de segurança fazem ‘vista grossa’ a estas infracções para evitar todo o trabalho que envolve depois o processo de notificação do condutor.
'Não há qualquer ordem superior para que não sejam multados. Mas o facto é que os contactos que são feitos para o estrangeiro para se notificar o condutor são muito morosos e envolvem mais custos do que o valor da multa, na ordem dos 30 euros', referiu uma fonte policial. Esta fonte acrescenta que são apenas efectuadas contra-ordenações directas. 'Quando é o caso de reboque ou imobilizador têm de pagar na hora', disse.
O caso mais recente passou-se anteontem em Évora. Um potente Audi, de matrícula francesa, esteve mais de duas horas estacionado num lugar pago por uma empresa. Chamada a PSP, um agente verificou que o carro não podia ser rebocado pela forma como estava estacionado. Depois apercebeu-se de que o imobilizador não cabia na jante e foi-se embora sem o autuar.
'Vai ter de esperar pelo dono do carro', disse o polícia ao funcionário da empresa que detém o lugar de estacionamento. O intendente Ricardo Abreu Matos, comandante da PSP de Évora, já prometeu averiguar este caso.

'MULTAR UM ESTRANGEIRO É TEMPO PERDIDO' (Paulo Rodrigues, Pres. da ASPP/PSP sobre estacionamento)
Correio da Manhã – É verdade que os polícias evitam passar multas de estacionamento aos estrangeiros devido à morosidade que envolve a notificação do condutor?
Paulo Rodrigues – Os polícias evitam passar multas simples por estacionamento abusivo a carros estrangeiros porque sabem que é tempo perdido. As horas de trabalho e a enorme burocracia administrativa faz com que a notificação do condutor fique mais cara do que a própria coima, que é de 30 euros.
– Mas os estrangeiros não têm mais direitos do que os portugueses.
– É claro que não. Mas o que é certo é que, se um polícia multar um carro suíço, esse condutor quase de certeza que não irá receber qualquer notificação para pagar.
– Qual é a forma de punir os infractores?
– Com contra-ordenações directas. Se o carro for rebocado ou imobilizado, o proprietário terá de chamar a polícia. Na altura, é identificado e obrigado a pagar a coima.
– Qual a solução para alterar o comportamento da autoridade?
– Uma rede entre países europeus de identificação de viaturas e pessoas facilitava a acção dos agentes.»

Alexandre M. Silva, in Correio da Manhã de 22 de Agosto de 2009

De norte a sul, a mesma paisagem

Boas,

Num curto passeio pelo centro do Porto apanhei estas todas, é de notar que a Rua de Santa Catarina, em metade da sua extensão, é apenas para peões como dá para ver numa das fotos mas isso não impede que ao sábado se estacione lá! Alguns casos mais graves, não captei, como um carro que estava quase na esplanada de um café, numa das mesas as cadeiras estavam encostadas ao carro.

As últimas fotos são da parte onde já não é apenas de peões mas é de salientar que a última é uma viatura de uma associação da cidade: "O coração da Cidade" que faz distribuição de comida e afins e que nem a 20 metros havia 2 lugares seguidos vagos do outro lado da rua... foi mesmo abuso! Por lapso, tendo eu auto-colantes no carro, na moto e numa bolsa, hoje não levei nenhum comigo... (palavrão!) ao menos fica o registo fotográfico!























Omnipresença

O Expresso tem hoje uma notícia sobre a privacidade e o Street View do Google Maps. Foi à procura de matrículas e encontrou várias visíveis.
E o que é que isso interessa para aqui? É que das 4 fotos que mostram, 3 delas têm carros a entupir completamente o passeio! A quarta tem pilaretes... Ou seja de algumas fotos de Lisboa escolhidas com outro propósito sem relação nenhuma com o estacionamento, sendo portanto aleatórias, 75% delas seriam excelentes fotos aqui para o Passeio Livre. Isto mostra bem a omnipresença deste desrespeito pelos peões.

A primeira até é tirada em frente a uma PSP... nada que espante, obviamente:

Lapa:

São Caetano:


Polícia Municipal em acção! =)

O amigo... da onça

Repare-se no que está escrito no pneu sobresselente...
.
À primeira vista, pode pensar-se que se trata de um ingénuo trocadilho, como se o jipe estacionasse ali por ser "amigo" de alguém - da EMEL, da PSP ou da P. Municipal., p. ex. Mas não é nada disso, pois quem conhece o local sabe muito bem que qualquer pessoa pode estacionar naqueles passeios impunemente, sem precisar de ser "amigo" de ninguém em especial. E até pode circular, para cima e para baixo, como se estivesse numa faixa de rodagem.

Aliás, não há memória de alguma vez alguma viatura ter sido rebocada (ou mesmo só bloqueada!) naquela parte da Av. dos EUA. Porque será?
Embora o problema não assuma a mesma gravidade dos carros, muitos condutores de motos também dão a sua modesta contribuição para tornar os passeios intransitáveis por aqueles a quem se destinam em primeiro lugar: os peões.

Esta foto (tirada junto à pastelaria Suprema, em Lisboa) foi escolhida porque, a poucos metros (à porta do café Luanda), existe um parque para motorizadas... às moscas.
.
Actualização (20 Ago 09): em complemento do que acima se diz, ver fotos [aqui].
Acabei de passar, há minutos, por 4 desses parques (Av. S. João de Deus, R. Conde de Sabugosa, junto ao Luanda e junto ao Vá-Vá). Estão completamente vazios. As motos estão ali por perto, semeadas pelos passeios...

Bem-vindos ao 'Far-West' dos E.U.A.!


ESTAS fotos foram tiradas, com poucos momentos de intervalo, num dos locais de Lisboa em que o estacionamento selvagem assume aspectos de verdadeira loucura: a Av. dos EUA.
Embora pareçam redundantes, afixo ambas as fotos porque reparei que a forma como os estrangeiros (em cima) e o português (em baixo) encararam a mesma situação foi bem diferente: com espanto - os primeiros; com naturalidade - o segundo.
Só pude concluir que o casalinho tinha acabado de desembarcar...

A EMEL, a sinistralidade e Alfama


Envio fotos de um cruzamento em Alfama onde a regra é os carros nas passadeiras e passeios e os peões no meio das faixas de rodagem. Os passeios e passadeira na Rua de São Tomé estão crónicamente invadidos por estacionamento. Num raio de 50 metros existem três escolas. E num imóvel mesmo em frente desta passadeira funciona a UPA - Unidade de Projecto de Alfama da CML. Não é pois de admirar que o parque da EMEL no Largo das Portas do Sol só dê prejuízo desde a sua inauguração. Com tanta tolerância ao estacionamento selvagem, quem é que vai gastar euros a estacionar num lugar correcto e legal? Já por várias vezes foi pedido a instalação de pilaretes neste cruzamento mas até hoje a CML nada respondeu, e nada fez.

Abraço, Fernando Jorge