É todos os dias!


«Este carro (há mais) está todos os dias neste passeio. É incrível, pois trata-se de um passeio que até tem circulação peões, no Tagus Park (zona do BCP), onde há bastantes lugares de estacionamento, aliás a prova que não há falta é o facto de ser sempre o mesmo e não serem diferentes carros, sinal que todos conseguem estacionar menos este Sr, coitado! :) Isto dura há meses e meses. Quando tiver autocolantes deixo lá um.»
Contribuição de um leitor 02Abr09



Ai que adoro o meu carrinho e quero-o bem pertinho de mim!

«Estas fotos foram tiradas hoje de manhã em Odivelas. O carro em cima do passeio, deve pertencer a alguém que ama o carro mais que qualquer coisa no mundo. Este passeio, apesar de haver mais de 50 lugares na praceta, costuma estar bem preenchido» Contribuição de um leitor 17Abr09









Cidade sem lei

A visão do carro abaixo, na Rua da Boavista, em Lisboa, lembrou-me os cowboys dos filmes de far-west, que amarram os seus cavalos mesmo em frente ao saloon. A "besta" em questão deixou a sua "montaria" do lado de fora, mas, se pudesse, teria ido comprar parafusos sentado ao volante, loja adentro. Chego a pensar que o sonho de alguns condutores é mesmo viver numa cidade "drive-thru"...


- Passadeira? What is that?


- What is that "P" supposed to mean?

Sucessão de erros...

Sucessão de erros... A passadeira está quase apagada, mas ainda se vê. O "eco-ponto verde", apesar de ecologicamente correcto, está a ocupar o espaço do peão neste refúgio de atravessamento - no cruzamento das ruas do Corpo Santo e de São Paulo, em Lisboa. O condutor, por fim, rematou o desmazelo parando ali o seu submarino.

Contributo de uma leitora

Na urbanização de Nova Oeiras está localizado o Núcleo Sul da Associação Portuguesa de Paralisia.
Dezenas de deficientes deslocam-se diariamente, nos arredores do centro, de cadeira de rodas. Para lhes facilitar a vida (digamos assim, pois a vida destas pessoas é tudo menos fácil), recentemente a Câmara de Oeiras adaptou o piso em alguns quilómetros de passeios para que as deslocações destas pessoas em cadeira de rodas fosse mais confortável. Mas todos os dias gente "muito solidária", como o solidário dono do carro desta fotografia, resolve estacionar em cima do passeio.
Pouco antes de eu tirar esta fotografia, uma senhora em cadeira de rodas chegou aqui e teve de voltar para trás, por causa deste solidário. Logo a seguir, uma avó a passear um bebé num carrinho teve de passar no asfalto também por causa deste simpático condutor.
Não sei em que circunstâncias foi estacionado este carro. Todos os dias vejo por aqui gente a estacionar em cima do passeio sem sequer se dar ao trabalho de procurar lugar de estacionamento, mas não sei se foi este o caso. O que sei é que num raio de 150-200 metros à volta deste local nunca faltam lugares de estacionamento, como por exemplo num parque de estacionamento junto à igreja de Nova Oeiras.

O que nos resta



Os carros não se meteram aí sozinhos. Dentro de cada carro houve alguém que o conduziu, que achou que ali estava bem, pôs ponto morto, tirou a chave, saiu do carro, fechou-o e foi-se embora.

Passa-se numa urbanização em Cascais.

Todos os dias.

Testemunho

Temos trocado correspondência com um leitor e queremos repartir essa correspondência com todos os que nos visitam. No último e-mail, pediamos que nos enviasse um texto para publicação no blog. Zé Maria (é comos se chama), acabou por pedir que lhe fizessemos perguntas. Publicamos aqui esse e-mail, que, a partir de agora, passa a ser dirigido a todos os que nos lêem.

Não falo e não ando pois fui vitíma de um acidente de carro de que resultou um traumatismo craneo-encefálico.
Eu no dia-a-dia combato este mundo inacessível (é muito mesmo, ora acompanhem-me numa passeata, empurrem o meu veículo!) com muito apoio - tanto! - de gente amiga, que me dá boleia de um posto para outro posto. Logo, não circulo por zonas de passeios, tenho tido como que umas lentes para um mundo desconhecido, um mundo dificíl para o qual as pessoas comuns (eu antes do acidente) não estão alertadas. Passeios sem rampas, carros mal estacionados e afins. É como estar num beco sem saída!
Eu cada vez mais constato que não sou muito normal, talvez não queira, pois vivo isto com um sorriso parvo. Optimismo vs realismo. Vejo quem não tenha pernas viver, sem fome e sem frio, como há gentes (ongs) que ajudam gente lá longe (não repreendo quem o faz!) mas os vizinhos vivem na miséria. Preconceito, talvez, mas digo conceito pós.
E não sei mais... peço-vos que me ajudem com perguntas, eu respondo!

Concurso de Ideias - Apresentação de Propostas

Apresentamos abaixo as propostas recebidas para os novos autocolantes de sensibilização e protesto contra a ocupação de passadeiras e passeios pelos automóveis.

De acordo com a mensagem aqui publicada em 19.04.2009, pode votar nas propostas utilizando a ferramenta que se encontra do lado direito. Certifique-se que vota no número correspondente à sua proposta favorita!

As votações encerram a 30/Maio, e a proposta escolhida será divulgada neste blog.

Participe e divulgue!

Obrigado a todos os participantes no concurso de ideias!

Proposta 1


____________________________________________________________

Proposta 2


____________________________________________________________

Proposta 3


____________________________________________________________

Proposta 4


____________________________________________________________

Proposta 5


____________________________________________________________

Proposta 6


___________________________________________________________

Proposta 7


___________________________________________________________

Proposta 8


____________________________________________________________

Proposta 9


____________________________________________________________

Proposta 10


____________________________________________________________

Proposta 11


____________________________________________________________

Proposta 12

Cova da Piedade - Almada




Uma pequena rua portuguesa na Cova da Piedade em Almada junto a uma escola primária e os seus variados problemas com que somos solidários. Haja piedade.


O Problema das bocas de incêndio. Inconveniente comum para invisuais e outras pessoas com mobilidade reduzida.




O problema do Grafitti.




O problema da arborização das ruas.

O problema da reciclagem e da iluminação pública.



Todos estes problemas num passeio que circunda uma escola primária e o mais curioso é que das várias vezes que lá fui visitar uma tia idosa nunca tive problema em estacionar legalmente na mesma rua.

Triste mas verdade.

Uma contribuição com organização e método

Recebido por email a mensagem que se segue sugere uma classificação por categorias de estacionador abusivo.

Ilustra-se aqui algumas das situações que se poderiam, quase cientificamente, tipificar:

1.ª Aqueles que julgam que o acesso à garagem é parte da mesma:


2.º Aqueles que estacionam em cima do passeio por preguiça:


3.º Aqueles que têm muito medo que lhes batam no carro:

4.º Aqueles que, por transportarem crianças, julgam que podem:

5.º Aquele que só não metem os carros dentro das escolas/casas/etc.porque não conseguem:

6.º Aqueles que têm um lugar privado (no passeio):

7.º Aqueles que são genuinamente *:




CS, autora de um protesto mais abaixo, voltou a escrever-nos

Boa Noite,
Venho desta forma pedir desculpas pelo modo que falei no email enviado na 6f, mas de facto na altura que vi o autocolante não fiquei contente, visto o meu veículo não estar de forma a impedir a passagem dos peões, por norma não tenho essa atitude de falta de civismo para com os mesmos.
Compreendo a vossa motivação para que haja da parte dos condutores alguma sensibilidade nessa matéria, mas há que ter em atenção no julgamento das infracções.
Sei também que o autocolante não me danifica o veículo, mas também não é fácil de o remover no momento e o local que este foi colado não foi o mais apropriado, visto ter-me reduzido a visibilidade a conduzir.

Atenciosamente,

CS

A nossa resposta

Cara CS,

Louve-se a sua capacidade de reflectir sobre os próprios erros - é coisa que devemos estar todos a aprender todos os dias.
Não sabemos onde estava o seu carro no momento em que lhe foi aplicado o autocolante mas fez referência, no primeiro e-mail, a uma passadeira e, neste, diz que o carro não impedia a passagem de peões. Daí pode-se supôr (e é só uma suposição) que estava de tal maneira que impedia a visão dos outros condutores sobre os peões (especialmente os que forem mais baixos do que o carro - as crianças). É uma infracção menos gritante mas mais perigosa (para os peões) do que o estacionamento, às vezes espalhafatoso, em cima de alguns passeios. Peço-lhe que reflicta também sobre isso - não se trata apenas de permitir ou não a passagem de peões.
Quanto ao autocolante a prejudicar a visibilidade, note que a nossa recomendação - precisamente para que isso não aconteça - é de que seja colado no vidro lateral.
Bem vinda à discussão civilizada, com argumentos e contra-argumentos - que é um dos objectivos deste blog e do próprio autocolante.

Cumprimentos,
Passeio Livre

Outro protesto

Exmos Senhores,

Gostaría eu de saber, estando a polícia no sábado na Rua do Museu da Artilharia e não me multou o meu carro e no entanto tinha colado um autocolante (se é que posso chamar autocolante aquela coisa) vosso?

Com que direito vocês ultrapassam as funções da polícia? Que funções policiais vocês têm?Quantas vezes os peões não põem em perigo a vida dos condutores? Todos os dias á saída dos autocarros, dos electricos, do metro, das estações dos comboios, os peões não olham para verem se há carros, todos os dias me dou conta disso e tenho cuidado. Todos os dias vejo peões novos (para não falar das pessoas de idade avançada) a atravessarem com o sinal vermelho e sem serem nas passadeiras. Quantas vezes dou passagem nas passadeiras e os peões não passam? Quantas vezes os peões mergulham para as passadeiras tendo nós condutores "selvagens, lobos maus" ter que travar a fundo sujeitos a apanhar com um carro por trás e termos que pagar umas centenas de euros de arranjo do carro, só porque um peão se lembra de "mergulhar"?

Disto vocês não falam. Os condutores também são peões, como tal eu só atravesso nas passadeiras e tomo todas as precauções, atravesso com o sinal verde. E sabem porquê? Porque estudei o código da estrada, é uma vantagem dos condutores "selvagens".

Como condutora exijo respeito, como condutora quero saber qual o motivo legal que vos dá o direito de colarem um autocolante no MEU CARRO que é propriedade privada. Se gastassem o vosso tempo e o dinheiro dos autocolantes em coisas mais saudáveis, num momento de crise que o país atravessa seria melhor. Como vocês falam nas pessoas idosas, se soubessem que existem pensões de 90€ aqui em Lisboa, esse dinheiro que vocês gastam a ofender os condutores poderiam ajudar esses idosos com essas pensões miseráveis.

Isso sim, seria um trabalho util para a sociedade.Os voluntários que "trabalham" para vocês deveriam fazer outros voluntariados e não fazerem de PIDE's de estacionamento.

Cumprimentos

V.C.

A nossa resposta:

Exma Sra V.C.,

Não sabemos a razão por que a Polícia não multou o seu carro que, depreendemos, estava estacionado de maneira a violar a Lei que diz ter estudado. Não sabemos precisamente porque não somos, nem pretendemos ser polícias. O que sabemos é que a Polícia não multou o seu carro, como não multou e não multa milhares e milhares de carros todos os dias estacionados de maneira abusiva. E essa é precisamente uma das razões de ser do nosso autocolante.

Também não sabemos por que os erros dos peões haveriam de justificar os abusos dos condutores. Isto não se trata de uma guerra entre peões e condutores (a maioria de nós também conduz), é simplesmente uma campanha contra o estacionamento abusivo.

A sua comparação com a PIDE, pretendendo ofender-nos, ofende, sim, todos os que sofreram, nas mãos da PIDE, tormentos cuja comparação com o incómodo que o nosso pequeno autocolante lhe tenha causado, seria patética se não fosse, repita-se, ofensiva.

Atenciosamente,Passeio Livre

Um protesto

Boa tarde! Gostaria de saber qual o motivo que levou a colocar um auto-colante na minha viautura, quando esta não estava estacionada numa passadeira, mas mesmo que estivesse ninguém vos deu autorização de colocar isso no meu veiculo!Se estão a fazer uma campanha de sensibilização de apelo ao civismo para com os peões, vocês é que estão a ser as pessoas menos cívicas no meio disto tudo!Pensem um pouco antes de contratarem pessoas para essa função, é que se nem se quer sabem o que é uma passadeira ou um passeio!? Peço que me seja indicado um contacto directo da pessoa responsável por este blog.
Obrigado,

C.S (o nome foi omitido por não termos autorização explícita para o publicar)

A nossa resposta

Cara C.S.

Se o seu carro não estava estacionado numa passadeira ou num passeio e recebeu um autocolante, terá sido posto indevidamente. As regras propugnadas por este blog estão bem à vista, à direita do ecrã, logo que se abre a página.
Quanto ao "mesmo que estivesse", naturalmente, discordamos. Repare que um autocolante é removível, um carro em cima do passeio ou da passadeira, não. Ninguém autoriza o estacionamento em cima de passeios e de passadeiras, e a Lei é explícita na imposição de penas a quem o faz. O nosso autocolante - que a PSP, em comunicação à imprensa, já esclareceu que não fere a Lei - é uma reacção (branda - muito mais branda do que as punições previstas em Lei) a quem abusa do espaço público para atender a interesses particulares, destruindo as calçadas, causando transtornos e - especialmente, quando se trata de passadeiras - risco aos peões. O que é um autocolante de 10 x 15cm diante disso?
Esclarecemos que não contratamos ninguém. As acções são voluntárias.
Se nos der o seu contacto, teremos toda a disponibilidade para conversar consigo.

Atenciosamente,

Passeio Livre