Uma estrada desenhada no passeio


Na Av. Gago Coutinho, em Lisboa, é possível ver-se, num passeio, uma via onde, pelo que se percebe, os carros não deverão estacionar. Deixemos de lado, para já, a pergunta «quem e com que autoridade é que isso foi feito?», e interroguemo-nos: a ideia foi deixar aquela zona vaga para os peões circularem? Parece que não, pois essa estranha via (como se vê em primeiro plano) faz um ângulo de 90º e vai dar à faixa de rodagem.Ou seja: a ideia parece ter sido deixar aquela zona vaga... para que os carros que queiram entrar ou sair do passeio o possam fazer sem impedimentos!

O testemunho de um leitor

Caros amigos,

Obrigado pelo tempo, dedicação e esforço (inclusivamente financeiro) que têm dado a esta causa.

Preciso de autocolantes!

Vivo há 6 anos num bairro em Oeiras onde nunca faltam lugares para estacionar. Mas todos os dias, sem falta, há dezenas de almas que estacionam os carrinhos em cima do passeio, de passadeiras, etc., só para não terem de andar 100 ou 150 metros, ou muito menos.

A situação mais grave ocorre junto às escolas de Oeiras (escolas Conde de Oeiras e do Marquês): todos os dias os professores, certamente para dar um belo exemplo às crianças, enchem o passeio com os seus carros. O hábito está de tal modo enraizado naquelas cabecinhas que, manhã cedo, começam a estacionar os carros em cima do passeio quando ao lado (5, 10, 15 metros...) ainda há dezenas e dezenas de lugares de estacionamento vagos! É verdadeiramente inacreditável! Qualquer dia tiro umas fotografias para vos enviar.

Pelo menos um deficiente em cadeira de rodas, muitos mães ou pais com cadeiras de bebés, pessoas com sacos de compras do supermercado, têm de passar na rua. Nas horas "de ponta" das escolas (quando saem centenas de alunos), as crianças inevitavelmente acabam por ter de andar na rua, sujeitas a ser atropeladas.

Como disse, vivo há 6 anos neste bairro e nunca deixei de ter lugar para estacionar. Por outro lado, ando muito a pé e tenho constantemente de zizaguear por entre os passeios, isto quando consigo andar neles.

Já perco a paciência. E como sou contra qualquer tipo de vandalismo (riscar carros, etc.), preciso de autocolantes. Estou disposto a pagar por eles. Digam-me quanto é, indiquem-me um NIB, que eu faço a transferência bancária. E quero também dar uma pequenina ajuda financeira para a vossa produção de autocolantes.

Estas almas lusas que estacionam em cima dos passeios queixam-se muitas vezes de não terem alternativas, o que muitas vezes não é verdade. O que sucede frequentemente é que querem estacionar a poucos metros do sítio onde vão ou onde residem.

De qualquer forma, as pessoas, quando compram um automóvel, têm de pensar primeiro se têm sítio para o estacionar. Esse é um problema que lhes cabe resolver, não a nós. Mesmo quando já têm um automóvel, quando se deslocam nele têm de pensar na probabilidade de no destino não terem lugar para estacionar e arranjar uma alternativa de transporte.

As regras de construção urbana exigem há largos anos a criação de lugares de estacionamento. O objectivo é, precisamente, evitar graves problemas de estacionamento.

Mas as pessoas pegam nos seus lugares de estacionamento e utilizam-nos como arrecadação, para meterem as suas coisinhas, estacionando depois os carros em cima dos passeios, prejudicando os outros e agravando em muito o problema, já de si grave, de falta de lugares de estacionamento. Às vezes, é mesmo só a preguiça de meter o carro no seu lugar de estacionamento.

Aqui na zona de Oeiras, nas áreas de vivendas, é muitíssimo frequente vermos os lugares de estacionamento dessas vivendas vagos e os respectivos carrinhos à porta da moradia, em cima do passeio. É mais prático!

Seria uma boa medida, embora impopular: proibir os proprietários de fracções com estacionamento de estacionar na via pública na zona da residência. Não seria difícil fiscalizar o cumprimento desta regra, já que a morada que consta normalmente no registo automóvel (que está informatizado) é a da residência, e do registo predial (hoje também totalmente informatizado) resulta quais os prédios / fracções com estacionamento privativo.

O problema é que "fiscalização" não combina lá muito bem com "Portugal"...

Mesmo à porta de casa


A foto que envio foi apanhada na Rua Gonçalves Crespo, perto da Av. D. Pedro V. Esta senhora não se coibe de estacionar MESMO em frente do prédio, prejudicando o acesso ao mesmo.Levou com o autocolante, mudou de sítio (em cima do passeio na mesma), mas outra pessoa estacionou no mesmo sítio. Nesta zona o estacionamento em cima do passeio é impressionante, sendo por vezes consideradas autênticas obras-primas de malabarismo.

Novidades

1)

Agora já é possível a qualquer leitor contribuir para a ilustração das situações crónicas de estacionamento abusivo. Para isso, basta clicar no mapa do lado direito, na coluna do blogue.


Torna-se assim possível indicar claramente às autoridades onde estão as situações mais graves e recorrentes. Acedendo ao Google Maps, escolhe-se a zona de uma cidade portuguesa onde os automóveis invadem constantemente o passeio. Ilustra-se com o marcador triangular vermelho, de proibido e carrega-se uma foto que demonstre a paisagem típica dessa zona.


2)
Também incluímos outra ferramenta útil. Os leitores poderão usar o blogue como uma plataforma de envio de protestos para as autoridades. Basta clicarem na imagem do envelope de cada posta:
e abre-se uma caixa de diálogo.

Os endereços das polícias municipais e dos departamentos de tráfegos autárquicos estão também na coluna do lado direito. A lista não é exaustiva. Uma vez que a caixa de diálogo aberta permite comentários pessoais, cremos que este processo tornará a pressão dos cidadãos para a resolução do problema do estacionamento mais presente junto das autoridades competentes.

à Lagardère

Os passeios desta rua são sempre utilizados como estacionamento quer pelo irresponsável do costume, quer pelas oficinas, que fazem dele uma extensão das mesmas. Já agora, os lugares reservados a deficientes estão sempre ocupados e (não é que eu tenha nada com isso, excepto pela poluição sonora dos veículos presos), mas é comum estacionamento em 3ª e 4ª fila. A polícia passa aqui? De vez em quando. Faz alguma coisa? Comer um bolinho no café conta?




Não havia mais nenhum lugar...











Ontem vi a reportagem na televisão, e muito mais gente deveria ter visto, nomeadamente no bairro onde moro - Qta de Fitares, em Rio de Mouro (as fotos são da Av. de Fitares, junto ao escritório da Urbanil).

Então, e para começar o dia... colei o exemplar que podem ver nas fotos. Seriam umas 08:00 e o carrinho lá esteve até às 13:45. Neste espaço de tempo muita gente incomodou, nomeadamente o grupo de crianças do infantário junto - que se vê numa foto - mas também chamou a atenção de muitos transeuntes que iam junto do carro ler o autocolante, e que serão divulgadores do estranho evento.

Falta de opção, dizem.


Este é o panorama junto à Estação de Moscavide da CP e à sede do IPJ. O amplo espaço ao fundo é... um parque de estacionamento vazio, como se pode ver na última foto.






































Objecto misterioso proveniente da Câmara Municipal do Porto?

Encontrei este objecto curioso, numa rua esquecida do Porto. Aparentemente faz parte duma campanha oficial contra o estacionamento abusivo... Aqui está ele, fotografado num cenário mais adequado:

"Carro mal parado, caos na cidade. Porto Cívico. C.M. Porto"

Dá ideia que foi concebido para ser colocado sobre um sinal de trânsito circular, pois tem a mesma largura.

Acho que o principal alvo desta campanha não eram os carros no passeio, pois eles podem incomodar muitos peões mas não têm um efeito acumulavel, ou pelo menos algum que seja facilmente perceptivel... O alvo deve ter sido o estacionamento em segunda fila, que incomoda o trânsito e provoca o "caos na cidade" a que eles se referem.

Seja como for vou procurar saber mais coisas sobre esta iniciativa... Talvez o Passeio Livre possa estabelecer contacto com eles! Já fui a uma esquadra da PSP mas não sabiam nada. Já enviei um mail à câmara municipal e aguardo a resposta.

daniel

A escola de condução é radical...


...o estacionamento é abusivo!

Quero Pedalar em Portimão! Posso?

Um leitor enviou-nos fotos de uma ciclovia em Portimão ocupada por carros estacionados. Aqui o problema não é do peão, mas num gesto de solidariedade publicamos também as fotografias.








Boa tarde,

Existe, felizmente, em alguns sítios de Portimão (Zona Ribeirinha) e na Praia da Rocha (Miradouro - Fortaleza) uma pista destinada exclusivamente a ciclista. Pelo menos a cor vermelha da faixa e o símbolo de uma bicicleta está lá bem visível e colocado de tantos em tantos metros.
Pois mesmo assim, há cegos que continuam a não ver a pista nem os desenhos das bicicletas.
Esta manhã na Praia da Rocha o cenário era este.
Algum dos donos das "latas" será capaz de vir dar uma explicação de como é que qualquer ciclista poderia passar pela pista?
E se os ciclistas fizessem um amontoado de bicicletas em frente das viaturas estes "senhores" bem no meio da estrada? Gostariam?

Faísca


Reblog this post [with Zemanta]