só estacionei em cima do passeio para ir à farmácia

Um cenário habitual nos passeios reduzidos, e abusados pelo estacionamento selvagem, da Rua de S. Bento. Mas desta vez tinha a máquina fotográfica para registar o exemplo máximo do peão enquanto cidadão de segunda em Lisboa: um carrinho de bebé a circular no meio da faixa de rodagem, lado a lado com os veículos motorizados! A vida de muitos cidadãos posta em perigo. Graças ao comodismo e falta de respeito de muitos automobilistas que diariamente estacionam em cima dos passeios deste arruamento com trânsito intenso. Muitos deles dirão «só estacionei em cima do passeio para ir à farmácia» ou «não tinha outro sítio para estacionar». Mas por causa dessa atitude egoísta, pais com carrinhos de bebé, idosos de muletas, cidadãos em cadeiras de rodas, todos têm de sair do passeio e circular na faixa de rodagem como aconteceu com esta jovem mãe. Em toda a extensão deste arruamento não existe um único ou gradeamento ou pilarete que proteja os peões.

Abraço,
FJ

Feche os olhos...


















... arrange uma bengala de Santa Luzia, e tente, de olhos fechados, passear pelos passeios de Pragal (Almada).

Apoio, protesto e proposta

Boa tarde,
Antes de mais venho saudar-vos por esta louvável iniciativa. Mas infelizmente o que me fez entrar em contacto convosco foi uma situação deveras desagradável que me sucedeu ontem à noite, quando retirei o carro da garagem dos meus sogros e só fui 2 minutos a casa deles devolver a chave do portão.
Nesses 2 minutos fui bafejado pela “sorte” de ter 2 autocolantes colados. Ou seja o carro esteve 10 horas bem estacionado e por 2 minutos…pimba!!! Assim não!!
Um dos vossos “associados” deve ter alguma dificuldade em ler o 2º ponto das recomendações de como utilizar os autocolantes “2. O autocolante deve ser colocado no vidro lateral do veículo (carro, pesado), nunca no frontal porque os restos do autocolante podem dificultar a visão do condutor, se o autocolante não for devidamente retirado. No caso de uma mota não colar no vidro frontal.”
Aqui é que está o problema!!O “simpático” colou-me 2 (dois, isso mesmo) autocolantes no vidro frontal da minha viatura, um deles mesmo em frente dos olhos do condutor. Se querem que haja civismo na utilização dos passeios, de acordo, mas atentaram contra a minha segurança, da minha esposa e do meu filho de 7 anos, NÃO!!!!!!. Isto porque não se consegue conduzir com SEGURANÇA nestas condições.
Já agora o energúmeno que fez isto, deve morar na Av. General Roçadas ou na Rua Teixeira Pinto em Lisboa, penso eu. Por isso quando enviarem para casa dos associados os autocolantes, agradeço que enviem também as instruções de como os usar porque há pessoas que não foram bafejadas com qualquer espécie de inteligência e os aplicam como lhes apetece sem qualquer espécie de consideração pela segurança dos outros.
Agradeço que publiquem este protesto no vosso blog, por favor, para que este(a) senhor(a) tenha mais atenção no que anda a fazer. Porque comportamentos destes podem custar vidas!!!

Cumprimentos

JC (o autor pediu anonimidade)

A Nossa Resposta:

Caro JC,

Agradecemos a sua denúncia, o seu protesto e a sua sugestão.
Consideramos que a aplicação do nosso autocolante no vidro da frente é, além de tudo (sublinhe-se este "tudo"), contraproducente para a nossa causa.
Acatamos a sua sugestão de enviar, em cada pacote de autocolantes, as recomendações para o seu uso. E, se nos der a sua morada, poderá receber um dos primeiros molhos já com a oportuníssima recomendação. Será mais um de nós - individual, autónomo e independente, como qualquer uma das muitas pessoas que fazem desta uma iniciativa totalmente descentralizada. Não somos uma associação. Não temos associados.
Quanto a ter ficado só dois minutos mal estacionado, temos a certeza de que compreenderá que não nos podemos pôr à espera para só aplicar o autocolante depois de passados... quantos minutos?

Saudações,

passeio.livre

auto-colados


O leitor que nos enviou esta teve o cuidado de assinalar os autocolantes colados nos automóveis colados ao passeio.

Obedecem, rigorosamente, às regras de colagem propugnadas por este blog.

Porta a porta



É preciso abrir a de casa para abrir a do carro.

Parece engarrafamento...


... mas é estacionamento.

Se o que lhes interessava era "safarem-se", conseguiram.

(Av Guerra Junqueiro)

Um protesto

Bom dia,

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que percebo a existência do vosso blog e do vosso movimento cívico. É realmente vergonhoso o estado em que estão os passeios deste país e a quase inexistência de lugares de estacionamento para a quantidade de carros que existem. Cabe às entidades próprias criar condições para que os peões não tenham que andar constantemente de carro, porque não têm forma de chegar ao local de trabalho, ou criar condições para que, já que têm que andar de carro, ter local para o estacionar devidamente o seu veículo sem incomodar os peões.

Tendo dito isto, quero também dizer o seguinte: moro numa zona residencial de Lisboa, onde é LITERALMENTE impossível estacionar sem utilizar os passeios. Recentemente a Junta de Freguesia tomou medidas para colocar pilaretes para impedir o estacionamento nos passeios e o que é que aconteceu: as pessoas passaram a estacionar na rua, no meio da faixa de rodagem provocando no que antes era um bairro sossegado, diversos problemas de trânsito. Estas medidas são inconcebíveis.

Até costumo ter o bom senso e o cuidado de:

1. tentar deixar espaço para os peões passarem no passeio;
2. não estacionar à porta de casa das pessoas para não as incomodar.

E foram precisamente estes dois cuidados e regras pessoais que ontem cumpri. No entanto, cheguei ao meu carro e o mesmo tinha sido vandalizado (sim, porque manusear propriedade alheia é vandalismo) por este movimento cívico, que se considera extremamente legitímo.

Lamento imenso, mas não acho que esta seja a forma correcta de abordar esta questão. Aliás, não acho que isto seja mais correcto do que riscar o carro!

Peço que tenham tanta consideração pelos condutores como tentam ter pelos peões. A vida não é a preto e branco e estas situações não são tão claras como podem parecer. E dirigirem a vossa raiva aos dirigentes municipais, que só não estacionam nos passeios porque têm garagem para pôr o carro, não vos parece mais indicado? É que até nem me importava de estacionar como deve ser e tal, mas não consigo, por isso tenho que me safar... Não ter carro está fora de questão... Os transportes públicos não me permitem ir para o trabalho e regressar a casa...

Assim sendo, caros senhores, agradeço que tenham mais consideração pelas pessoas que, não tendo um local correcto para estacionar o carro, estacionam o carro no passeio, tentando incomodar o minímo possível os peões.

Cumprimentos,
RP (omitimos o nome da autora do protesto por não termos a autorização expressa de o tornar público).

A Nossa Resposta

Cara RP,

Muito obrigado pelo longo e cuidado protesto. Tentaremos responder da mesma forma. No fundo, esta iniciativa é uma forma de iniciar uma conversa. Ficamos sempre curiosos de saber quais os bairros de Lisboa onde "é impossível estacionar legalmente". Acredite que existem muitas pessoas que, morem onde quer que morem, nunca estacionaram o carro no passeio.

É de louvar o seu altruísmo em deixar espaço para os peões passarem. Se calhar repara até que os peões contornam o seu automóvel. Nunca terá pensado porém, como é agradável andar a pé com um amigo lado a lado. Ou já terá imaginado a odisseia que um invisual tem de percorrer se quiser sair à rua. E acha que a medição a 'olhómetro' do que considera espaço suficiente chega para qualquer cadeira de rodas, ou para qualquer carrinho de bebé? Alguma vez tomou alguma atitude para que tivesse de deixar de estacionar ilegalmente?

Fala em vandalismo, e define-o como "manusear propriedade alheia". Em primeiro lugar, é muito discutível que o simples "manuseamento" configure um vandalismo. Mais razoável seria falar em "danificar". O autocolante não danifica. Mas, além disso, pergunto-lhe se há alguma razão para não aplicar o mesmo rigor quando o património não é privado, mas público. Por que o "manuseamento" do passeio público por carros particulares (que, além de transtornos, causam danos ao passeio) seria menos vândalo? Aliás, já tentou falar mal do autocolante sem usar palavras que se apliquem - e com maior gravidade - ao estacionamento em cima dos passeios e passadeiras?
Mas o mais importante era que nos desse alguma boa razão para que os problemas de estacionamento (cuja gravidade ninguém discute) sejam resolvidos às custas dos peões.

Atenciosamente,

O passeio.livre

Opções


Pela direita, pela esquerda, por cima ou por baixo, opções é que não nos faltam.
Contribuição de uma leitora que testemunha, todos os dias, o que se passa na rua Academia de Ciências, em Lisboa.

O Caos







Há alguém que sobra aqui, alguém que não cabe.







Contribuição de um leitor de Lisboa que já pediu e que estará para receber uma boa resma de autocolantes.

Quem não se sente não é filho de boa gente

A igreja de Santa Cruz do Castelo é das mais antigas de Lisboa. Foi fundada logo após a tomada de Lisboa aos mouros em 1147, no local onde existiu uma antiga mesquita. A igreja está ligada ao culto de São Jorge, o santo padroeiro da conquista da cidade. Foi também nesta igreja que tradicionalmente se baptizaram os filhos dos monarcas que habitavam o antigo Paço da Alcáçova, no Castelo de São Jorge.


Considero ser incrível que todo o Largo de Santa Cruz do Castelo se encontre transformado num parque de estacionamento sem rei nem roque. Tudo serve para estacionar incluíndo o passeio defronte da entrada principal da igreja de Santa Cruz. De nada valem os sinais a proibir o estacionamento que foram colocados no largo...



Como é possível a C.M.L.. nada fazer para tratar esta situação aberrante que dura há décadas? Porque não são colocados alguns pilares de ferro nos passeios em redor da igreja? Recomendei, ao departamento relevante da C..M.L., a tomada de medidas com vista à resolução dos problemas deste importante espaço público da cidade que é visitado por milhares de turistas. Aguardamos por uma intervenção por parte da C. M. L..



Agradecida pela atenção dispensada, aceitem os meus cumprimentos (contributo de uma leitora de Lisboa)

Pesadelo em Elm Street - Versão Portuguesa

Para quem ainda não percebeu porque é que é grave estacionar num passeio...














(Clique para ampliar)
Foto enviada por um leitor de Lisboa.
Zona adjacente à Av. do Brasil

Que disciplina!...


Todos tão enfileiradinhos, cada um com as suas 4 patinhas em cima do passeio... bem merecem medalhas.